Testes não apontam riscos para uso da mistura de 27,5% de etanol na gasolina

>
Testes não apontam riscos para uso da mistura de 27,5% de etanol na gasolina
Após o anúncio do Governo Federal de aumentar o percentual de etanol anidro na gasolina, de 25% para 27%, no último mês de março, descartando impactos nos motores movidos à gasolina ou o comprometimento do desempenho e consumo dos veículos, conforme constatado pelos resultados dos testes feitos pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (Cenpes) da Petrobras, a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) avalia positivamente os resultados dos testes apresentados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) neste final de mês de abril.
Os estudos adicionais realizados pela entidade concluíram que não há nenhum impeditivo para o uso da gasolina com 27,5% de etanol. O relatório foi entregue ao Governo Federal no dia 22 de abril, com avaliações baseadas em etapas concluídas e outras em fase de conclusão, que representam no total cerca de 85% dos testes realizados até o início do mês, e aponta que não houve alteração significativa nos veículos testados em comparação aos resultados dos testes anteriores.
É importante ressaltar que diversos testes feitos pela indústria automobilística são realizados em condições mais severas do que as normalmente experimentadas pelo usuário comum, com o objetivo de avaliar os efeitos do combustível no veículo com elevado grau de confiança.
A Anfavea conclui, com base nos testes realizados, inclusive com veículos equipados com sistemas de injeção direta de combustível, tecnologia bastante sensível a variações na qualidade do combustível, que: nos ensaios realizados não foram encontradas evidências que impeçam o uso da gasolina com 27,5% de etanol, desde que o combustível comercializado possua as mesmas características daquele enviado pela Petrobras para estes ensaios.
A conclusão da Anfavea é esclarecedora, pois o combustível utilizado nos testes atende às especificações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), sendo portanto representativo da gasolina atualmente comercializada no país. Assim, fica evidente que a gasolina vendida nos postos do país, com 27% de etanol na sua composição, é um produto de boa qualidade e que satisfaz as necessidades técnicas dos motores e do meio ambiente.
O “Estudo sobre o Aumento do teor de etanol na gasolina para 27,5%” foi elaborado pela Comissão Interna de Energia e Meio Ambiente (CEMA) da Anfavea e foi realizado conjuntamente por sete montadoras, com avaliação do comportamento dos veículos testados sob os aspectos de dirigibilidade; partida a frio e a quente; temperatura do catalizador; emissões e consumo de combustível; durabilidade em campo e testes de bancada, conforme divulgado pela entidade.
A avaliação da Anfavea constitui-se em importante complemento aos estudos já realizados pela Petrobras/Cenpes, que subsidiaram recente decisão do governo brasileiro em aumentar o teor de etanol anidro na gasolina comercializada no país para 27%.
De acordo com o cronograma apresentado pela Anfavea, três montadoras já concluíram seus testes e as demais devem concluir suas avaliações até a segunda quinzena do mês de junho.
Veja a nota publicada no site do Ministério de Minas e Energia sobre os resultados dos testes, clique aqui.
 
Fonte:UNICA
 
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •