Plantio Mecanizado - Mais um desafio a ser vencido

>
Plantio Mecanizado - Mais um desafio a ser vencido
INTRODUÇÃO -
Depois da mecanização da colheita da cana na década de 80 e a introdução do corte da “cana crua”, em maior escala na década de 90; períodos respectivamente marcados pelos termos: “mal necessário” e “necessidade de se pagar pedágio”, devida a acentuada tecnologia envolvida no processo; chegamos ao início do século 21 com a implantação acelerada do plantio mecanizado, que certamente necessitará também de novos aprendizados. É a alternativa encontrada para a falta de mão de obra e para reduzir custos. Sendo bem implantado, o plantio mecanizado tem produtividade e longevidade de canaviais semelhantes às do plantio tradicional.
O primeiro ensaio do CTC para estudar o plantio mecanizado foi realizado em 1989, numa área de 45 hectares. Ocorreram muitas injúrias nas mudas de cana e a brotação foi muito ruim, com muitas falhas por ataque de fungos (podridão abacaxi), inviabilizando o ensaio. Posteriormente, muitas tecnologias foram sendo estudadas e implantadas para viabilizar o sucesso desta prática. Em 1998, o CTC disponibilizava aos associados a sua primeira plantadora de cana, aprimorada com o passar dos anos (figura 1).
O alto custo dos equipamentos como colhedoras, adaptação das mesmas, sistemas de transportes com tratores de alta potência, transbordos ou ainda caminhões transbordos de alta capacidade e também as plantadoras de cana; são investimentos necessários para se fazer o plantio mecanizado. A alta capacidade operacional, assim como a boa qualidade do plantio dependerão de diversos fatores, alguns sendo destacados a seguir:



PREPARO E SISTEMATIZAÇÃO -
Igualmente à colheita, o plantio mecanizado necessita de preparo do terreno para que as operações sejam
realizadas satisfatoriamente. O planejamento dos talhões e da sulcação devem ter o mínimo possível de sulcos curtos para reduzir manobras dos equipamentos. A manobra implica em perda de tempo e pisoteio, resultando
em compactação sobre a área a ser plantada. O preparo de solo deve eliminar as camadas compactadas do ciclo anterior e não apresentar torrões. A 2 distribuição dos toletes pelas plantadoras atuais ainda não é uniforme, sendo
que os torrões favorecem a presença de bolsões de ar que impedem o contato da gema com o solo, prejudicando a brotação da cana.

VIVEIROS –
A idade das mudas é fator crucial para o sucesso do plantio mecanizado e ela deve estar com no máximo nove meses de idade, portanto, para o plantio de 18 meses (janeiro a abril) existe necessidade de se plantar o viveiro de maio a agosto do ano anterior, em plantio de inverno. Esta prática não é comum no plantio tradicional no qual se planta normalmente mudas de 11-12 meses e necessita de bom planejamento para a viabilização da mesma.
Algumas variedades como SP81-3250 e RB72-454 normalmente apresentam problemas de brotação em áreas de plantio mecanizado. De maneira geral existem diferenças entre as variedades, mas as maiores causas de falhas são devidas à idade da muda, maior que nove meses, às injúrias na colheita destas como trincas e amassamentos nos toletes e problemas nas plantadoras também com injúrias, cobrição da muda inadequada, com muita terra e finalmente ainda, falhas dos operadores. As características físicas das gemas dos colmos não são significativas na capacidade de germinação como mostram diversos ensaios conduzidos pelo CTC.

LOGÍSTICA DO PLANTIO -
Dependerá da necessidade diária de plantio. A quantidade de plantadoras, colhedoras e a distância dos viveiros implicará no sistema de transporte, principalmente na quantidade de caminhões e finalmente nos custos. Quanto mais próximo o viveiro estiver da área de plantio, menor será o custo com o transporte da muda e maior será a capacidade operacional do plantio. Distâncias maiores que 5 km da área de plantio ao viveiro necessitarão de mais equipamentos, composições rodoviárias e a eficiência de plantio dependerá de mais fatores, e desta forma a probabilidade de falta de muda é maior.
O dimensionamento mais comum de uma frente de plantio é de duas colhedoras para cada três plantadoras. Não exceder quatro plantadoras por frente de plantio para conseguir um aproveitamento próximo de 50-60% do
tempo da plantadora, considerando as quebras, abastecimentos e manobras.
No plantio de meiosi, uma colhedora já é suficiente para duas plantadoras.
É necessária, portanto, uma logística muito bem planejada de época de plantio e localização do viveiro para serem obtidas mudas novas e bem localizadas.

CORTE DE MUDAS –
Para o plantio mecanizado os colmos são cortados em toletes com tamanho próximos a 40 cm, sendo o limite máximo para que dentro das plantadoras não causem embuchamentos e necessário para que os toletes apresentem de 2 a 3 gemas. A colhedora de cana deve receber alterações para colher mudas, para que não existam saliências que danifiquem as gemas dos toletes.
Todas as partes metálicas que tenham contato com a gema devem ser lisas ou ainda melhor, emborrachadas. Existem kits que podem ser adquiridos no mercado para proteção dos toletes e gemas e também kits para pulverização de produtos fitossanitários nas partes cortantes da colhedora.
No corte de base o desgaste das facas é intenso e é recomendável que sejam avaliadas constantemente durante o trabalho. Estas facas com poucas horas de trabalho já devem ser trocadas de posição e também serem 3 substituídas para serem reutilizadas posteriormente no corte de cana comercial, na safra.
A velocidade de trabalho deve ser baixa para que a limpeza da palha seja bem feita. A presença de palha dificulta a movimentação da muda dentro da plantadora, prejudicando a distribuição dos toletes no sulco e impede o contato da gema com o solo, diminuindo a germinação. Velocidades normais de colheita de cana de safra (6-7 km/h) danificam os toletes e as gemas, deixando-os com trincas que permitem a entrada de patógenos e a perda de água, ocasionando a diminuição do vigor.
É importante considerar que quando cortamos as mudas manualmente, os colmos antes de serem picados dentro dos sulcos, têm um tempo de “descanso” no campo suficiente para translocação de hormônios e auxinas que interferem na brotação, revigorando as gemas das regiões medianas e basais do colmo, mais velhas e que apresentam menos vigor. Já no corte mecanizado, os colmos são seccionados junto com o corte de base e esta translocação não ocorre. Isto faz com que o plantio mecanizado exija que as técnicas sejam as mais corretas possíveis como preparo do solo, idade e qualidade da muda, distribuição no sulco, cobrição; devido ao vigor irregular das gemas.

PLANTIO -
No plantio um dos pontos cruciais é a quantidade de gemas colocadas de forma uniforme no sulco para não haver falhas no sulco (sem brotação de cana). A habilidade dos operadores é fundamental para não despejar muitas gemas por metro, aumentando o consumo de muda por área e também favorecendo bolsões de ar evitando o contato do solo com as gemas ou de forma contrária, distribuir poucos toletes que não garantam a uniformidade do estande da cultura.
As plantadoras existentes no mercado realizam operações simultâneas de sulcação de duas linhas com espaçamentos de 1,40m e 1,50m e também adubação, aplicação de inseticidas e cobrimento dos toletes.
O trator com a plantadora carregada de mudas e insumos formam um conjunto operacional com comprimento de mais de 15 metros e peso que pode variar de 20 a 30 toneladas, apresentando dificuldade para trafegabilidade no
período chuvoso, de alta umidade, que normalmente é feito o plantio. Também possui dificuldades para manobras.
Existem no mercado equipamentos com configuração de carretas tracionadas que depois da área sulcada, entram nos sulcos distribuindo os toletes. A operação de cobrimento da muda é feito em outra operação separadamente. O ponto negativo deste equipamento é o risco de compactar o fundo do sulco, danificar mais as mudas, devido ao tráfego com umidade no solo do trator e da carreta distribuidora. A carreta possui uma haste escarificadora de sulcos que nem sempre é eficiente para eliminar a compactação causada dentro do sulco e, dependendo das condições do solo, poderá causar a formação de torrões, prejudicando a operação de cobrição e
brotação dos toletes. Outro problema é o sulco ficar aberto por muito tempo, diminuindo a umidade disponível para a germinação dos toletes.
Como o problema de injúrias e menor vigor na germinação dos toletes no plantio mecanizado são significativos, o apodrecimento dos colmos através da doença podridão abacaxi é preocupante, principalmente em plantios
realizados no período mais frio do ano. Em ensaios realizados pelo CTC, o 4 tolete classificado como ótimo, sem injúrias, é melhor do que o regular, mesmo com fungicida para evitar doenças.


O CTC realiza todos os anos testes experimentais de plantio mecanizado (figura 3) com suas variedades comerciais e também com clones promissores, objetivando auxiliar seus filiados na escolha dos melhores materiais para o plantio.


CONCLUSÃO -
A complexidade do sistema de plantio mecanizado como um todo exige atenção e melhorias constantes nas operações de campo. O treinamento dos responsáveis técnicos, dos operadores de máquinas e demais funcionários da empresa resulta em aprimoramento operacional e consequentemente, em menores problemas com falhas no plantio e custos de produção da cana. É função da empresa, proporcionar esta capacitação
técnica aos seus colaboradores.
 
 
 


Fonte: Armene José Conde – Gerente Regional - Mauro Sampaio Benedini – Gerente Regional - José Guilherme Perticarrari – Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro de Tecnologia Canavieira

 
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •