>
O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, reunido no sábado (08), em Nazaré da Mata, com políticos e fornecedores de cana da Zona da Mata, anunciou que vai reabrir duas usinas de açúcar e etanol no Estado. O ex-ministro da integração, Fernando Bezerra Coelho, e o secretário estadual da Fazenda, Paulo Câmara, também estiveram presentes. As unidades industriais são a Pumaty e Cruangi, localizadas em Palmares e Timbaúba respectivamente. As usinas estão fechadas desde 2012. A previsão é de que elas já voltem a funcionar em setembro desde ano, moendo a cana da atual safra. Detalhes do projeto serão discutidos entre a Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (AFCP), o Sindicato dos Cultivadores e o governo estadual nesta terça-feira (11), às 11h, na secretaria da Fazenda.

Conforme foi anunciado pelo governador, a unidades funcionarão através do modelo de cooperativismo. Os produtores de cana irão gerir as usinas através de cooperativas. No caso da Cruangi, a administração será feita somente pelos canavieiros, enquanto que a Pumaty será feita de forma compartilhada com os atuais proprietários da empresa. A ação governamental é resultado de um projeto que já vem sendo debatido entre os canavieiros e o governo desde o ano do fechamento das duas usinas.

De forma prática, a cooperativa vai arrendar a usina Cruangi e os canaviais da Pumaty para os fornecedores de cana retomar a produção das unidades. Os agricultores também receberão apoio do Estado para fazer os tratos culturais das lavouras para estimular a produção até o início da moagem em setembro. Estima-se um investimento na ordem de R$ 30 milhões. Este recurso já estava previsto para entrar no orçamento do Estado para ser aplicado em um programa de incentivo aos pequenos e médios produtores de cana, que sofreram com a maior seca dos últimos 50 anos. Todavia, o governador junto aos órgãos de classe dos canavieiros decidiu investir o recurso de forma inovadora. O recurso investido retornará em três anos para o Estado, com o imposto gerado pela volta da atividade das unidades, sem falar nos empregos gerados diretamente pela volta do funcionamento das duas unidades.

“Com o funcionamento das usinas, os produtores de cana vão agregar valor a sua matéria prima”, conta Alexandre Andrade Lima, presidente da AFCP. O dirigente ressalta que pelo modelo de cooperativismo, como está sendo proposto, os agricultores passarão a receber tanto pela cana fornecida à usina, como também pelo açúcar e etanol fabricado. A ação já está sendo considerada pelos canavieiros como uma das melhores políticas públicas voltada para o segmento da história, porque, como diz Lima, ela ultrapassa a racionalidade de investir somente no campo, mas também cria mecanismos para o agricultor empreender na indústria de modo mais moderno e rentável, fortalecendo no geral a cadeia produtiva sucroenergética, e, consequentemente, toda a região da Zona da Mata.


Fonte: AFCP

 
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •