A biomassa sucroenergética - Energia limpa e renovável

>
A biomassa sucroenergética - Energia limpa e renovável
fonte da imagem: http://www.cerpch.unifei.edu.br/
A biomassa sucroenergética - energia limpa e renovável, produzida a partir dos resíduos da cana-de-açúcar, como o bagaço e a palha - terceira fonte mais importante da matriz de energia elétrica do Brasil em termos de capacidade instalada, alcançou mais um grande feito na segunda-feira (25/05), atingindo o marco de 10 mil MW em potência efetivamente fiscalizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).
Atrás apenas das fontes hídrica e gás natural, a biomassa da cana representa 7% da matriz energética brasileira, sendo quase 2,5 vezes superior à capacidade instalada pelas termelétricas à base de óleo combustível e de diesel e a aproximadamente três vezes ao parque gerador à base do carvão mineral.
Para Zilmar de Souza, gerente em Bioeletricidade da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), isto representa a importância da biomassa para o setor elétrico e também para a sustentabilidade da matriz de energia elétrica. “No fim do ano, durante a COP-21 em Paris, enquanto os países discutirão como lidar com as mudanças climáticas, a bioeletricidade sucroenergética mostra, na prática, como contribuir para garantir o suprimento energético com sustentabilidade. Trata-se de um grande estudo de caso de sucesso brasileiro”, comenta Souza.
Segundo o representante da UNICA, em 2014, somente o volume de exportação de bioeletricidade para o sistema elétrico brasileiro, sem considerar a energia elétrica gerada para o autoconsumo, evitou a emissão de mais de oito milhões de toneladas de CO2. Outro marco importante da biomassa.
Continuidade da expansão da bioeletricidade da cana na matriz ainda preocupa
Embora tenha atingido 10 mil MW em capacidade instalada, a expansão da bioeletricidade da cana ainda é um ponto de atenção para o setor sucroenergético. Em 2010, de acordo com a ANEEL, a fonte chegou a instalar 1.750 MW, equivalente a 12,5% de uma usina Itaipu. Todavia, em 2015, a previsão é que a biomassa seja responsável pelo acréscimo de apenas 633 MW, ou seja, 36% do que foi instalado em 2010, mostrando que a fonte poderia ter um papel atual ainda mais relevante na matriz de energia elétrica, caso tivesse havido uma continuidade em sua expansão anual.
Para Souza, é necessário evitar uma política do tipo stop and go (ou go and stop) e promover de uma vez a definição de uma agenda positiva clara, estável e estimulante de longo prazo para o setor sucroenergético. “Mantendo-se o movimento de melhora de preço nos leilões regulados, que estamos observando ultimamente, e das condições institucionais no setor elétrico, a fonte biomassa da cana já mostrou que tem potencial para aprofundar seu papel como uma das soluções na garantia do suprimento energético e da sustentabilidade da matriz elétrica brasileira”, conclui o gerente da UNICA.
Fonte: Unica
 
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •